segunda-feira, 25 de novembro de 2013

A Importância de Obter um Produto/Resultado proveniente das Técnicas Aplicadas a Grupos.

Hoje vamos abordar sobre como obter resultados quando usamos uma dinâmica com um grupo ou trabalhamos uma história ou vídeo. Pensamos em abordar esse assunto como continuação de nosso artigo sobre Dinâmicas de Grupos são Eficazes? , pois a validade das técnicas e dinâmicas utilizadas é geralmente, questionada e até muitos acham que estas técnicas são inválidas e manipuladoras. Novamente afirmamos que o uso indiscriminado dessas técnicas por pessoas nem sempre habilitadas pode causar esses efeitos.
Nesse artigo vamos nos ater, primordialmente, a técnicas e dinâmicas que visam trabalhar, comportamentos e atitudes, já que esses aspectos são mais difíceis de serem mensurados e, por conseguinte, fica mais difícil medir os resultados alcançados. Por isso, somos favoráveis a sempre buscar um produto como resultado, final ou parcial, quando usamos uma técnica que vise uma mudança comportamental e de atitude. As pessoas que vêm nos acompanhando devem ter percebido que a maior parte das vezes, sugerimos que no final da atividade seja elaborado um plano para que o grupo melhore seu relacionamento, que proponha ações para proporcionar a mudança desejada, etc. Outras possibilidades de obter um produto como resultado da atividade é montar uma peça de teatro, um vídeo, um texto que abranja o conteúdo abordado, uma poesia, uma carta de intenção do grupo ou de cada participante com as ações e resultados que espera alcançar, etc. No caso da carta de intenção pessoal, essa pode ser privativa, porém sempre há necessidade de enfatizar que cada um deve voltar a ela e avaliar o resultado alcançado. Aí vai da criatividade do grupo e do facilitador.
Vale ressaltar que quando propomos que seja gerado um produto da atividade, os aspectos que não são palpáveis tende a se tornar mais concretos o que ajuda em muito na produção de mudanças efetivas.
É importante, salientar, também, que o produto e consequentemente os resultados devem ser acompanhados e avaliados de tempos em tempos para que sejam feitos os ajustes necessários ou até que se proponham novas ações ou técnicas para obtenção de novos produtos/resultados.
Pela nossa experiência essas medidas têm surtido grande efeito nos grupos e nas pessoas que participam deles, além de ser uma ótima maneira de manter a coesão do grupo e consequente interesse no aprimoramento pessoal e grupal.
Esse processo, também pode ser usado como acompanhamento diagnóstico para perceber as necessidades de um grupo e com isso gerar propostas para trabalhar essas necessidades.
Você tem se preocupado com esses aspectos? Conte sua experiência.

Você quer ter dinâmicas e Técnicas ao alcance de sua mão? Conheça e adquira nossa Apostila: Dinâmicas e Técnicas para Trabalhar com grupos. Acesse nosso blog! www.dinamicaspassoapasso.com.br
Veja, tb: www.centrodenumerologia.com.br
Lilian Bendilatti

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

TÉCNICA PARA REFORÇO DO ENTROSAMENTO E LAÇOS AFETIVOS DO GRUPO


Caixa de Elogios – O Anjo da Guarda
 
OBJETIVO: Reforçar a autoestima individual e do grupo.
                   Aumento dos laços afetivos e entrosamento do grupo.
PARTICIPANTES: até 30 pessoas.
TEMPO: de 1h a 1h30 para a confecção da caixa e instruções preliminares. A técnica pode ser usada por um período de 3 a 6 meses.
MATERIAL: 1 Caixa de sapato, canetas e lápis coloridos, cola, adesivos, papéis crepom e laminados de várias cores, fitas,  filipetas para que se deixem os recados e quaisquer outros materiais para serem usados na personalização da caixa.
DESCRIÇÃO: O coordenador explica ao grupo que fará uma atividade para aproximar mais e fortalecer o grupo.
DESENVOLVIMENTO:
1-    O facilitador explica ao grupo que farão uma atividade parecida com: “Amigo Secreto” e que esta terá a duração de ---- meses, iniciando hoje.
2-    Dizer que a atividade consiste em que cada pessoa do grupo sorteie um colega para ser seu “Anjo da Guarda”. O “anjo” será responsável por colocar um bilhete, toda semana, com um elogio, uma observação positiva, uma palavra de estímulo, etc., ao seu protegido. E que ao final do período esse “anjo” se revelará para seu protegido.
3-    Explicar que já escreveu o nome de todos os participantes do grupo em pedaços de papel e os colocou na caixa de sapato para que seja feito o sorteio. Salientar que ninguém pode pegar seu próprio nome. Repetir o sorteio até que todos tenham pego um nome diferente do seu. Frisar que o ”anjo” só será revelado em --- meses em tal data.
4- Dizer, ao final do sorteio, que cada um deve memorizar o nome da pessoa da qual irá ser o “anjo da guarda” e que não deverá revelar o seu verdadeiro nome. As mensagens deverão ser anônimas ou assinadas por um pseudônimo e dobradas todas da mesma maneira com o nome do destinatário na frente do bilhete.
5- Dizer que agora poderão personalizar a caixa de sapato que servirá para armazenar as mensagens semanais de cada “anjo” para seu protegido. Estabelecer 20 minutos para essa atividade e deixar disponível o material que já reservou para esse fim, que está descrito no item material necessário, acima.
6- Após terem feito a personalização da caixa, distribuir os pedaços de papel (filipetas) e canetas para que já escrevam a primeira mensagem e a depositem na caixa.
7- Quando todos tiverem terminado de escrever suas mensagens guardar a caixa e explicar que poderão lê-las na próxima semana. Pedir para o grupo traga outra mensagem, já pronta, na semana seguinte para ser colocada, novamente na caixa, depois que estas forem lidas.
8- No dia marcado para abertura da caixa deixar que cada um pegue o seu bilhete que foi depositado na semana anterior e o leia. (Estabeleça 5 minutos para essa atividade).
OBS: Os novos bilhetes deverão ser depositados na caixa, novamente, e lidos na próxima semana. E assim sucessivamente.
9- Ao final do período estabelecido deve-se reservar um período de aproximadamente 30 minutos para que haja a revelação dos ”anjos”. Nesse momento pode até haver uma festinha de confraternização.

OBS: Esta é uma atividade que ajuda muito o grupo a se entrosar e trás bastante comprometimento, motivação e participação dos integrantes do grupo nas tarefas propostas.
O facilitador precisa sempre observar a reação dos membros do grupo e perceber se existe alguém ficando sem bilhetes ou recebendo mensagens que não estão de acordo com as regras. Se isso acontecer, precisa investir e buscar que o grupo se atenha ao que foi combinado.
 
Essa é releitura da dinâmica “Anjo da Guarda” de autoria desconhecida. Se alguém souber a autoria nos avise para darmos os créditos.

Você tem alguma sugestão para aperfeiçoar essa dinâmica.
Faça um comentário ou mande um e-mail:
dinamicas@dinamicaspassoapasso.com.br
Lilian Bendilatti
http://www.dinamicaspassoapasso.com.br
Acesse também: www.centrodenumerologia.com.br
                             
www.centrodenumerologia.blogspot.com

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

VÍDEO P/ TRABALHAR O PODER DO INCENTIVO - O SAPINHO


ROTEIRO PARA DISCUSSÃO DO VÍDEO – Para Trabalhar O Poder do Incentivo.

O Sapinho


 OBJETIVO: Avaliar o poder do incentivo nas pessoas.
                    Conscientizar o grupo das barreiras da motivação.
                    Perceber o que é preciso para nos automotivar e motivar pessoas.


Passar o filme e depois perguntar:

- O que aconteceu no filme? (Conduzir para que o grupo perceba que o desencorajamento por parte dos mais velhos não influenciaram o sapinho, pois ele era surdo. Ele  só percebeu os gestos, que considerou como incentivadores).
- O que fez o outro sapo, também, pular e conseguir sair do buraco? (Conduzir para que o grupo perceba que o exemplo nos encoraja e motiva).
- Por que o sapinho achava que conseguiria pular, apesar da altura? (Levar o grupo a perceber que: como ele era filhote, não tinha os preconceitos que os adultos têm. Ele achou que era possível e teve coragem para tentar).
- Perguntar ao grupo e ir anotando no quadro respostas para as seguintes perguntas:
1- O que dificulta a ter motivação?
2- Que comportamentos e atitudes são importantes para conseguirmos nos automotivar e motivar os outros?
Ao final da listagem concluir que:
. Os preconceitos e idéias pré-concebidas de fracasso, muitas vezes, nos impedem de tentar.
. Muitas vezes por vergonha e timidez, deixamos de tentar.
.Que nos acostumamos a fazer as coisas de determinada maneira e deixamos de inovar, por medo, preguiça, descaso, etc.
. Que tendemos a colocar a culpa no outro pela nossa falta de coragem e iniciativa.
. Que o exemplo é uma das maiores “armas” para conseguir um grupo motivado.
. Que precisamos coragem, força de vontade e persistência para buscar novas maneiras de realizar e obter resultados.
. Que é preciso cultivar os incentivos para melhorar o clima do grupo. É melhor reforçarmos qualidades do que ficar apontando só defeitos.
OBS: Se essa atividade for utilizada para melhorar o nível de motivação de um grupo, após essa discussão pedir:
- Que se reúnam em grupos de 2 a 4 pessoas e proponham medidas para melhorar a motivação individual e do grupo em questão. (Estabelecer 15’ para essa atividade).
- Depois em painel verificar o consenso das medidas a serem adotadas.
- Quando esse compromisso for assumido, estabelecer um prazo para que o grupo volte a se reunir e avaliar se as medidas estão sendo postas em prática e verificar medidas de ajuste.
Lilian
www.dinamicaspassoapasso.com.br
Veja, tb: www.centrodenumerologia.com.br

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

DINÂMICA PARA AUMENTO DE AUTOESTIMA, ENTROSAMENTO GRUPAL E MELHORA DE CLIMA.

O que penso sobre você

OBJETIVO: Autoconhecimento, melhora da autoestima, promover entrosamento, estreitar os laços afetivos e melhorar o clima grupal.
PARTICIPANTES: até 15 pessoas
TEMPO: de 1h 30’.
MATERIAL: Envelopes com Filipetas de papel com nome de cada participante do grupo com espaçamento para preenchimento. Deve ser entregue um envelope com um conjunto de filipetas para cada pessoa do grupo com os nomes de todos os participantes. Por expl.: Para a Maria, deve ser entregue um envelope com uma filipeta com o nome de cada um dos participantes do grupo, para a Joana, também, será entregue um conjunto de filipetas com o nome de cada participante do grupo e assim por diante.
Outros envelopes, de outra cor, com o nome de cada participante que serão dispostos sobre uma mesa.
DESCRIÇÃO: O coordenador explica ao grupo que farão uma atividade onde podem se conhecer melhor e trocar impressões uns sobre os outros.
 DESENVOLVIMENTO:
1-    O facilitador distribui para cada um, um envelope com as filipetas.
2-    Pede ao grupo que preencha os espaços abaixo de cada nome de cada filipeta, colocando o que pensa sobre o colega. Enfatizar que essas observações devem ser: características positivas da pessoa, ou o que esta pessoa representa de bom para quem está escrevendo, ou até mesmo uma frase que represente o relacionamento das duas pessoas ou ainda, um desejo de algo positivo para a pessoa em questão.
OBS: Estabelecer um tempo de 30’ para essa atividade.
3-    À medida que os participantes vão terminando a tarefa, pedir para que armazenem nos envelopes de outra cor que estão em cima da mesa, as filipetas referentes ao nome que está escrito em cada envelope.
Quando todos tiverem terminado, distribuir a cada participante o envelope que está com seu nome e pedir para que o abram.
OBS: Estabelecer um tempo de 15’ para essa atividade.
4-    Durante a abertura dos envelopes o facilitador deve estar atendo aos comentários, para depois poder discutir com o grupo. (Deixar que as pessoas curtam esse momento).
5-    Quando os comentários e observações tiverem cessado, pedir para que o grupo se disponha em semicírculo e começar a discussão.
6-    Pergunte:
- O que acharam da atividade?
- Tiveram dificuldade para executá-la?
- Ficaram receosos com os comentários que poderiam vir?
- Ficaram surpresos com os comentários que receberam?
- Houve muita discrepância entre como cada um se vê e os comentários que recebeu?
REFLEXÃO:
Concluir que sempre precisamos cultivar os relacionamentos e que muitas vezes, não falamos como determinada pessoa é importante para nós. Às vezes por vergonha de nos expormos ou porque como nossa sociedade não tem como valor principal nos focarmos em qualidades,  achamos que isso não é importante nem essencial.
Enfatizar que o que realmente levamos dessa vida são nossas relações e afeições que trocamos.
ENCERRAMENTO:
Se o grupo estiver com uma atitude positiva pedir para que em 5’ escolha um nome de guerra para o grupo que transmita todo o sentimento que conseguiram extrair dessa atividade.
Quando tiverem escolhido o nome, peça para que se juntem em um círculo e façam o grito de guerra.
OBS: Não esqueça a história está abaixo.

Tive a idéia dessa dinâmica quando li a história abaixo. Fiz algumas adaptações para que fosse preservada a intimidade individual. Não sei a autoria dela, se alguém souber, por favor, nos informe para que possamos atribuir os créditos.
Você tem alguma sugestão para aperfeiçoar essa dinâmica.
Faça um comentário ou mande um e-mail:
dinamicas@passoapasso.com.br
Lilian Bendilatti
www.dinamicaspassoapasso.com.br
Acesse também: www.centrodenumerologia.com.br
                             
www.centrodenumerologia.blogspot.com

 
 
HISTÓRIA
Linda idéia a ser imitada!
Um dia uma professora pediu aos seus alunos que fizessem numa folha de papel uma lista com os nomes de todos os colegas de turma, deixando abaixo de cada nome um espaço.
Depois lhes pediu que pensassem na coisa mais bonita que poderiam dizer a cada um deles e que a escrevessem abaixo dos respectivos nomes.
Ao término da aula pediu para que todos lhe entregassem as folhas.

Naquele fim de semana a professora escreveu o nome de cada aluno (a) numa folha separada e acrescentou em cada uma delas uma lista do que cada um dos seus outros colegas tinham dito sobre ele (a).
Na segunda-feira seguinte deu a cada um dos estudantes a lista referente ao seu nome.

Ao terminar de ler a classe inteira estava sorrindo.
"Verdade?", sussurravam. "Eu não sabia que era tão importante para alguém! E não pensei que agradasse tanto aos outros." Eram as frases mais pronunciadas.
Ninguém na classe falou mais naquelas folhas e a professora não soube se os estudantes tinham discutido sobre isso com os pais, mas também não era importante: o exercício tinha alcançado o seu objetivo.
Os estudantes estavam contentes com eles mesmos e tornaram-se cada vez mais unidos.
Muitos anos mais tarde um dos estudantes foi morto no Vietnam e sua professora foi ao funeral. Estava cheio de amigos do soldado. Todos os amigos que o amaram se aproximaram do caixão e a professora foi a última a despedir-se do cadáver.
Um dos soldados presentes perguntou-lhe então "A senhora era a professora de matemática do Mark?". Ela acenou com a cabeça e ele contou-lhe então que "o Mark falava muito dela".
Depois do funeral, muitos dos ex-colegas de turma do Mark foram juntos refrescar a cabeça.
Os pais de Mark estavam lá, esperando obviamente para falar com a professora.
"Queremos mostrar-lhe uma coisa", disse o pai tirando uma carteira do bolso. "
Acharam no casaco do Mark quando ele foi morto. Nós pensámos que poderia reconhecer o que era".
Abrindo a carteira, tirou com cuidado dois bocados de papel que tinham sido obviamente dobrados, abertos e reabertos muitas vezes.
A professora soube, ainda antes de olhar, que aquelas folhas de papel eram as que tinha compilado todos os elogios feitos pelos colegas de Mark.
"Muito obrigada por ter feito isso", disse a mãe de Mark. "Como pode ver, o Mark preservou-o como um tesouro".
Todos os ex-colegas de Mark começaram a se aproximar.

Charlie sorriu timidamente e disse "eu ainda tenho a minha lista. Está na primeira gaveta da minha escrivaninha, em casa".
A esposa de Chuck disse que o marido lhe tinha pedido que a pusesse no álbum do seu casamento e Marylin acrescentou que a sua tinha sido preservada no seu diário.
Vick, outra das companheiras, abriu a agenda e tirou a sua lista, um pouco estragada, mostrando-a ao grupo. "Trago-a sempre comigo. E penso que todos nós a temos guardada".
Naquele momento a professora sentou-se e chorou.
Chorou por Mark e por todos os seus amigos que nunca mais o veriam.

Postagens populares