segunda-feira, 9 de setembro de 2013

EXERCÍCIO FRAQUEZA E FORÇA - AUTOCONHECIMENTO E FORTALECIMENTO INTERIOR

OBJETIVO:
Propiciar possibilidade de análise de nossas forças e fraquezas e buscar através do manejo delas nos fortalecer interiormente.
PARTICIPANTES: até 15 pessoas.
TEMPO: de 40’ à 1h.
MATERIAL: Folha de sulfite e lápis.
DESENVOLVIMENTO:
1-  O facilitador entrega uma folha de sulfite e lápis para cada participante do grupo e pede para que façam uma linha divisória no papel a fim de que a folha fique dividida no meio em seu sentido vertical. Pedir para que coloquem na coluna da esquerda o título fraquezas e no da direita forças. De forma que o papel fique como segue.
 
FRAQUEZAS
FORÇAS
- Assim que tiverem com a folha pronta, peça para listarem suas fraquezas e forças nas respectivas colunas. Dê 5 minutos para que executem a tarefa.
3- Quando todos tiverem terminado sua listagem peça para que a guardem por alguns momentos, pois irão fazer um exercício.
4- O facilitador então pede para que cada um procure uma posição na qual se senta confortável na cadeira.
5- Começa fazendo um relaxamento, conduzindo os participantes a uma praia ou floresta. Quando o facilitador perceber que todos já estão relaxados inicia, verdadeiramente, o exercício dizendo pausadamente:
. Entre em contato consigo mesmo. Sinta seu verdadeiro eu.
. Agora perceba suas fraquezas e forças. Lembre-se das que você listou anteriormente.
. Agora, mantenha um diálogo silencioso entre suas fraquezas e forças.
. Inicialmente, personifique suas fraquezas. Faça sua fraqueza conversar com sua força. Algo como: Como sou tão fraco e você tão forte. Você pode fazer tantas coisas como...(o facilitados aguarda alguns segundos em silêncio). Entre em alguns detalhes sobre como você é fraco e sua força é forte... (o facilitador aguarda alguns segundos em silêncio). Mantenha esse diálogo por alguns momentos.
. Agora troque de lugar e torne-se a força. Como se sente sendo a força? Como você é como força? Como sua força se sente em relação a sua fraqueza? Diga a sua fraqueza o que ser forte faz por você? O que obtém sendo forte?
. Troque de lugar, novamente. Seja de novo a fraqueza. O que responde a força? Como se sente agora em relação à força? Conte à força o que consegue sendo fraco? Que compensações têm sendo fraco? Conte à força o que adianta ser fraco? Quais as vantagens de ser fraco? Como você usa sua fraqueza para manipular os outros e fazer com que eles te ajudem, tenham pena de você, etc.? Reconheça a força de sua fraqueza.
. Agora se torne novamente a força. O que diz agora para a fraqueza? Fale sobre as desvantagens de ser forte. Como os outros se apoiam em você por ser forte? Como as pessoas sugam sua energia.
. Vá conversando mudando de papel quantas vezes quiser, e mantendo o diálogo entre as duas. (o facilitador aguarda em silêncio por volta de 30 segundos).
. Agora que vocês fraqueza e força puderam conversar: Que conclusões você chegou. Como se sente em relação a sua força e fraqueza? O facilitador dá um tempo de aproximadamente 30’ para essas conclusões.
6- Nesse momento o facilitador conduz o grupo para que saia do relaxamento de forma gradativa.
7-Quando todos estiverem despertos explica que esse exercício é fundamentalmente individual. Que as conclusões e análises são personalizadas e que muitas vezes não temos um resultado imediato. Mas, que podemos discutir alguns aspectos mais gerais (o facilitador, então usa as perguntas que estão listadas no item discussão para dar andamento ao exercício).
DISCUSSÃO:
Perguntar ao grupo:
-O que acharam da atividade?
-Conseguiram entrar em contato com suas forças e fraquezas? Qual foi mais difícil: se conectar com suas forças ou com suas fraquezas (geralmente conseguimos nos conectar com nossas fraquezas mais facilmente).
-Quais os sentimentos que conseguiram captar quando entraram em contato com as fraquezas? E com as forças? Sentiram raiva, vergonha, alegria, motivação, etc. Souberam aceitar esses sentimentos?
-Quais dificuldades encontraram para dialogar com as forças e fraquezas? Conseguiram transpor essas dificuldades à medida que o exercício foi sendo desenvolvido? Ou não?
- Houve mudança na maneira de ver suas forças e as fraquezas? Que conclusões chegaram ao que se refere a como elas se comunicam e atuam em sua vida?
- Será que muitas vezes quando nos mostramos fracos, estamos buscando aceitação, amparo, etc.
- E quando nos mostramos fortes, sempre temos vantagens?
- Costumamos parar para nos conhecer melhor? Nossas forças e fraquezas?
Nota1: O facilitador pode abrir para que algum ou alguns dos participantes exponham brevemente sua experiência.
Nota2: Esse é um exercício muito pessoal que toca profundamente as pessoas e por isso o facilitador precisa ser experiente para conduzi-la. Não há necessidade que as pessoas exponham sua experiência. Os resultados são obtidos de forma individual e com análise pessoal.
CONCLUSÃO:
Concluir que muitos de nossos comportamentos que refletem fraquezas podem ser subterfúgios que utilizamos para nos adaptar às situações. Muitas vezes, mostrar força pode afugentar as pessoas ou dificultar nossos relacionamentos.
Que nossas fraquezas são muito importantes para propiciar nosso desenvolvimento e crescimento pessoal. Que diante de dificuldades e obstáculos podemos promover mudanças e crescimento em nós mesmos.
Que precisamos reconhecer nossas forças para poder utilizá-las de forma adequada. E ao mesmo tempo precisamos reconhecer nossas fraquezas para buscarmos maneiras de superá-las.
Só quando nos conhecemos e nos esforçamos em busca de nosso aprimoramento que conseguimos nos fortalecer interiormente.
Essa atividade é uma releitura do Exercício Forças- Fraquezas do livro Tornar-se Presente – Stevens, John O.
Você tem alguma sugestão para aperfeiçoar essa dinâmica.
Faça um comentário ou mande um e-mail:
Lilian Bendilatti
                              www.centrodenumerologia.blogspot.com

Postagens populares