ESPAÇO RESERVADO PARA SEUS COMENTÁRIOS SOBRE NOSSO BLOG

QUER TER DINÂMICAS E TÉCNICAS PARA TRABALHAR COM GRUPOS AO ALCANCE DE SUA MÃO? CLIQUE NO BOTÃO COMPRAR, ABAIXO DA FOTO DA APOSTILA.
Quer fazer um elogio, crítica ou sugestão sobre o blog? :Clique aqui
Quer se cadastrar para receber nossas novidades? Envie seu e-mail, clicando aqui
(11) 5589-2211 (horário comercial).

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

DINÂMICA PARA TRABALHAR, BUILLYING, RESPEITO MÚTUO, RESPEITO ÀS DIFERENÇAS INDIVIDUAIS, LIDAR COM DEFICIÊNCIAS – SEGUINDO O CHEFE

Recebi uma pergunta de uma internauta a respeito de dinâmica para trabalhar Buillying, achei essa bastante adequada, por isso estou descrevendo-a.

OBJETIVO: Levar o grupo a perceber a importância do respeito mútuo, respeito às diferenças individuais e com isso iniciar o trabalho de temas como Bullying e como evita-lo.
PARTICIPANTES: até 15 pessoas.
TEMPO: de 1h a 1h30.
MATERIAL: Papel sulfite, Canetas Coloridas, Vendas, Mesas, Cadeiras de trabalho, tiras de pano, tapa ouvidos.
DESCRIÇÃO: O facilitador explica ao grupo que a tarefa será a de desenhar um barco, sendo que irão ser divididos em grupos e caberá a cada participante a execução de uma parte desse barco. Dizer que o grupo que conseguir completar a tarefa,  primeiro será o vencedor.

DESENVOLVIMENTO:
1-    Dividir os participantes em grupos de 5 ou 4 participantes, cada.
2-    Entregar para cada grupo uma folha de sulfite e canetas coloridas.
3-    Explicar que cada componente do grupo só poderá fazer um traço de cada vez para executar o barco e que quando terminar o seu traço deve passar a folha para o próximo colega que por sua vez irá executar o traço que lhe cabe. Por exemplo: O primeiro participante faz o traço que se refere à parte de baixo no barco, cabe então ao próximo participante fazer uma das laterais. E assim por diante até que todos possam ter executado sua parte e o barco esteja, totalmente, desenhado.
4-    Pedir para que iniciem a atividade. Enfatizar que cada grupo deve ter seu desenho pronto no prazo máximo de 2’.
5-    Após a execução da atividade verificar se todos completaram o desenho e qual grupo a terminou mais rapidamente. (A tendência é que todos os grupos terminem rapidamente e não tenham dificuldade para executar a tarefa).
6-    Agora, explicar que isso foi apenas um ensaio e que irão novamente fazer o desenho do barco, só que agora serão estabelecidos algumas características para cada participante como descritas a seguir. (colocar na lousa ou levar um cartaz).
Participante 1- É cego e só tem o braço direito.
Participante 2- É cego e só tem o braço esquerdo.
Participante 3- É cego.
Participante 4- É mudo.
Participante 5- Não tem os dois braços.
OBS: Essas combinações são feitas de acordo com o número de participantes de cada grupo, podendo ser acrescentadas ou retiradas dificuldades. O facilitador pode levar fitas para prender a mão ou mãos dos participantes que não podem usá-las, pois estes tendem a não respeitar as instruções até mesmo por ato reflexo. Outras combinações podem ser feitas: cego e surdo, só tem o braço esquerdo, etc.
7-   Depois de explicado quais serão as dificuldades dos membros do grupo, pedir para que estabeleçam quem irá assumir qual característica, entregando as vendas para os que serão cegos, tiras de pano para amarrar os braços que não deverão utilizar e tapa ouvidos para os surdos.
8-   Quando todos estiverem prontos, estabelecer o tempo de 4’ para que executem a tarefa.
Obs: O facilitador deverá permanecer em silêncio, apenas observando o trabalho. Caso alguém solicite ajuda ou informações, reforçar as instruções já ditas sem dar outras orientações. Caso algum participante faça perguntas do tipo está certo? Pode fazer assim? Deixar o grupo decidir. Não deve interferir. Estas situações poderão ser retomadas no momento de debate, para análise e como ilustração para outros comentários.

OBS: É bastante provável que a maioria do grupo não consiga realizar a tarefa. O facilitador poderá dar um tempo para que o grupo discuta como poderia melhorar e propõe que façam, novamente. Se quiserem tentar mais o facilitador pode permitir. (Em alguns casos pode deixar que executem até 3 ou 4 vezes, sempre tendo momentos para discutir o que fazer para ter melhor desempenho e colocar em prática as ações sugeridas.

DISCUSSÃO:
 Depois de terminada a atividade o facilitador pergunta ao grupo:
1-    Como se sentiram durante a atividade?
2-   Conseguiram executar o barco? Se não conseguiram, por quê? O que faltou? Se conseguiram, o que fizeram para isso?
3-   Quais as dificuldades que sentiram? O que são deficiências? Elas são só físicas?
Levar o grupo a perceber que foram as limitações impostas que dificultaram ou fizeram com que não conseguissem executar o trabalho. Lembrar que conseguiram facilmente, desenhar o barco na primeira tentativa, já que não havia limitações ou deficiências? Enfatizar que deficiências todos trmos: não só físicas, ser cego, por exemplo, como podemos ter dificuldade para aprender matemática.., ou falar em público, etc.
4-    Perguntar: Essa experiência pode ser transportada para o nosso dia a dia? Frequentemente, encontramos pessoas com dificuldades/ “deficiências”? Como, geralmente lidamos com elas? Será que todos nós em algum grau temos alguma deficiência? Como podemos lidar com tudo isso? O que é BUILLYING. Será que esta prática é nova ou sempre existiu com outros nomes.
Levar o grupo a refletir sobre como tentamos rotular e afastar as pessoas com dificuldade.  Não respeitamos as diferenças individuais e por isso tentamos enquadrá-las aos nossos padrões. Todos somos diferentes e temos qualidades e aspectos a melhorar e que o convívio se torna melhor quando são respeitadas estas diferenças. Que podemos nos voltar para a ajuda ao próximo e não para o julgamento.
       Que os rótulos são dados a partir de preconceitos e estereótipos. Que todos podemos  
       vencer nossas dificuldades com esforço e ajuda mútua.
Perguntar-: O que o BUILLYING pode acarretar na autoestima da pessoa? Há casos onde a pessoa tem que deixar de frequentar alguns lugares para se preservar ou porque não suporta mais viver com todos os preconceitos.
Há, também, rótulos positivos. Por expl.: O bom aluno. Mesmo sendo positivo isso ajuda a pessoa rotulada? Ela pode se sentir tão pressionada que pode também não aguentar.

CONCLUSÕES:
Todo tipo de preconceito, rótulos e estereótipos são prejudiciais às pessoas e relacionamentos. É preciso que aprendamos o respeito, a paciência e tolerância para que tenhamos relacionamentos mais saudáveis e, por conseguinte uma vida mais saudável.
Que todos nós temos “deficiências”, mas que precisamos saber lidar com elas. Que o não julgamento dessas “deficiências” facilita em muito a superação delas. Que todos podemos nos ajudar e respeitar para que nos desenvolvamos cada vez mais.
Todos podemos melhorar, basta querer e acreditar que podemos. E quando recebemos aceitação e ajuda as coisas ficam ainda muito mais fáceis. 

Você tem alguma sugestão para aperfeiçoar essa dinâmica.
Faça um comentário ou mande um e-mail:
dinamicaspassoapasso@gmail.com
Lilian
http://www.dinamicaspassoapasso.blogspot.com/
Acesse também: www.centrodenumerologia.com.br
                             
www.centrodenumerologia.blogspot.com

Postagens populares